Conceito

Em cima da sua Prostituta da Babilônia - uma moto BMW velha, que só pegava depois de muitas aceleradas - Walter Smetak percorria as ruas da cidade de Salvador. Pesquisador incansável, em busca de novas faculdades de percepção, cruzou fronteiras físicas, estéticas, místicas e musicais.

Construção, composição, improvisação e alquimia. Com suas plásticas sonoras, integrou conhecimentos e sinalizou a fundação de uma Arte Espiritual, transformadora de cabaças, cabeças, artes, ciências.

Muitos são os desdobramentos possíveis que a obra e o homem permitem. Aqui, estas formas imprevistas, conduzidas por comentários do próprio Smetak, apresentam seu olhar estético, sonoro e metafísico. Um possibilidade de retorno ao futuro, ao espírito - mantendo abertas novas possibilidades da escuta, da visão e do diálogo na jornada que ele inaugurou.

Jasmin Pinho

Partindo da música em direção ao som, numa série de quebras contínuas - com a melodia, com a composição harmônica, com a notação musical, com a separação das formas plásticas e sonoras. Do sistema tonal, ao atonal, ao microtonal, improvisação adentro.

Smetak deixou uma obra para ser tocada pela imaginação, feito de materiais pobres reciclados e transformados em combinações imprevistas onde visualidade e sonoridade se confundem.

Arto Lindsay

imagem-exposição